Tempo em
Uberaba

09 de agosto de 2018 | 16h 33
Acorda Brasil!!!!! A economia pede socorro.
comentário(s)
A+ A-
PUBLICADO POR
Cleide Martins
cleideamartins@gmail.com
Publicado por: Cleide Martins

Cleide Martins escreve a coluna de Economia no JC, todas as QUARTAS. Cleide Aparecida Martins Barillari é economista, cientista social, professora universitária. Especialista em Economia Brasileira e Mestre em Educação.

Em sua coluna a economista traz o tema: Acorda Brasil!!!!! A economia pede socorro.​

Com o prazo das convenções partidárias vencido, temos, a partir de agora, o registro das candidaturas aos cargos eletivos para o Executivo e o Legislativo junto à Justiça Eleitoral. Com isso, o cenário vai se desenhando conforme as coligações se concretizam, uma vez que os discursos passam a ser considerados como propostas de governança. O que se vê, politicamente, é o debate entre o que é viável para a economia brasileira e o que não é, principalmente entre aqueles postulantes aos cargos na administração pública direta. Em relação aos nomes indicados aos cargos para o Legislativo, continua valendo a ideia do SALVE-SE QUEM PUDER, ou seja, a frenética busca do cargo que possa garantir FORO PRIVILEGIADO, por isso temos que procurar pelas exceções. Não se tem UM EXEMPLO dessa busca pelo foro privilegiado, mas centenas, talvez milhares. A porcentagem de políticos em busca da reeleição com o objetivo de salvar a própria pele é enorme e no meio de muitos, temos aqueles poucos e exemplares espécimes de políticos com boas intenções.

Reprodução Internet

Do outro lado do processo estão os eleitores, o povo, o cidadão, chamem como quiser. Este apresenta como principal discurso que POLÍTICO NÃO PRESTA e a maioria, segundo as pesquisas, NÃO SABE EM QUEM VOTAR. É uma situação incrível: as pessoas dizem que querem MUDANÇAS, mas não aceitam OLHAR PARA O NOVO. E nas rodas de debate político, as pessoas trazem os VELHOS NOMES das figuras carimbadas pela LAVA-JATO. Além, é claro, do velho bordão: MAS EU NÃO CONHEÇO ESSE CANDIDATO! Então procura-se a velha fórmula de VOTAR NO MENOS PIOR. Aff!!! Brasileiro, em épocas de eleição parece Judas lavando as mãos! Ainda acredita em pesquisas e NÃO QUER PERDER O VOTO. Aí vem as Marias que vão com as outras!!! E as mudanças, que são URGENTES, vão ficando para depois.

E a ECONOMIA com isso?? São tantas as REFORMAS esperando para serem votadas, que a economia brasileira se vê em completa inércia por falta de sinalização quanto ao rumo que se vai seguir a partir de 2019. Essa questão é tão grave que os cientistas políticos e afins têm debatido com muita clareza a NECESSIDADE de conscientizar a população quanto à importância de REFORMAR o CONGRESSO NACIONAL. No momento, literalmente, não interessa quais são as propostas dos candidatos à Presidência da República, que, por acaso, têm recebido mais espaço nas mídias. O olhar do eleitor precisa ir direto para a atuação dos congressistas, pois são eles que serão os responsáveis pela votação das REFORMAS PARA A ECONOMIA.

A ECONOMIA PEDE SOCORRO sim. A situação de crise chegou a um ponto tão complicado, que  fazer a população entender que está NAS MÃOS DE CADA CIDADÃO essas mudanças, tem se tornado um Deus nos acuda. Como conscientizar um POVO DESINFORMADO e analfabeto estrutural que o seu voto faz a diferença neste momento? Como mudar uma cultura política de CURRAL ELEITORAL que persiste em pleno século XXI? Na era da informação instantânea. Os investimentos estão paralisados, senão em queda. Ninguém acredita no Brasil: não existe sequer segurança jurídica, isto é, quais são as regras do jogo? A crise é muito maior do que a economia brasileira. Se fosse SÓ ECONÔMICA, os especialistas já tinham apresentado fórmulas e novos planos econômicos estariam se sucedendo como no passado. A extensão da CRISE POLÍTICA é muito grande. Ela se traduz na incapacidade dos representantes da sociedade em enxergar a gravidade do momento, deixando de lado os interesses políticos pessoais (salvar a própria pele) para se ater aos interesses socioeconômicos que impactam diretamente sobre a cidadania.

Os discursos continuam os mesmos: NÓS VAMOS RESOLVER OS PROBLEMAS da educação, da saúde, gerar milhões de empregos, etc. Mas tem um detalhe importantíssimo: o ORÇAMENTO PÚBLICO para 2019 já está sendo preparado para ir à votação no próximo mês, como determina a Lei. A perspectiva, dentro dessa proposta orçamentária, continua sendo de déficit altíssimo nas contas públicas. Isso significa que vamos continuar devendo e, pior ainda, vamos aumentar as nossas dívidas. Simples assim. Nesse caso, o que se pede ao cidadão é que observe a realidade (votação do orçamento) e compare-a com as propostas dos candidatos (salvadores da Pátria). Qualquer um pode perceber que não há como cumprir com o milagre de debelar a crise em curto prazo; em médio prazo, quem sabe? Na verdade, sendo realista, no longo prazo as chances podem aumentar, ainda assim, dependendo das REFORMAS ECONÔMICAS.

É por isso que se insiste tanto na importância de RENOVAÇÃO DO CONGRESSO NACIONAL. Nosso sistema de governo não concede plenos poderes à figura do Presidente da República. Este pode apenas fazer propostas, dentro do seu programa de governo, que são levadas à votação no Congresso Nacional. Nesse caso, o ocupante da Presidência pode ter a melhor das intenções quanto à solução dos problemas econômicos, mas a LEI determina que os projetos sejam votados pelo Legislativo. Então, se não houver uma renovação dos congressistas, o que esperar de novidades para a economia brasileira? Só para lembrar: tem que REFORMAR TUDO para a economia seguir em frente em busca de um futuro melhor para toda a sociedade. Por isso, estamos dentro de um movimento que pede ao cidadão brasileiro: vamos renovar tudo? #NÃOREELEGERNINGUÉM.

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se e receba as novidades do
JC diretamente no seu e-mail:

 



  Agência Digital  
Todos os direitos reservados © 2018 · Jornal da Cidade