Tempo em
Uberaba

13 de abril de 2018 | 00h 50
Economista Cleide Martins traz o tema: economia e política, duas ciências que se fundem e confundem
comentário(s)
A+ A-
PUBLICADO POR
Cleide Martins
cleideamartins@gmail.com
Publicado por: Cleide Martins

                   

Cleide Martins escreve a coluna de Economia no JC, todas as QUARTAS. Cleide Aparecida Martins Barillari é economista, cientista social, professora universitária. Especialista em Economia Brasileira e Mestre em Educação.

 

Em sua coluna a economista traz o tema: Economia e política, duas ciências que se fundem e confundem

Economia é a ciência que estuda a melhor relação entre as necessidades ilimitadas do ser humano e a escassez (limitação) dos recursos disponíveis. Está relacionada ao processo de produção de bens e serviços para atender às variadas demandas de uma coletividade. A Economia também se preocupa com o processo de distribuição dessa riqueza produzida. Nesse caso, esta ciência apresenta teorias que vão desde o liberalismo radical, que significa deixar tudo por conta dos mercados, até o outro extremo, que tudo deve ser feito de maneira planificada, a cargo dos agentes políticos, denominados aqui, a partir de agora, simplesmente como governantes.

Deixar a cargo dos mercados significaria contar com a eficiência das leis de mercado: Lei de Oferta e Lei de Demanda. Se cada indivíduo buscar o melhor para si, a atividade mais lucrativa, irá oferecer bens e serviços à sociedade e ainda lucrar com isso. Adam Smith (economista do século XVIII), considerado o Pai da Economia, dizia que quando um indivíduo produz algum bem ou serviço que possa interessar a outras pessoas ele não o faz por ser bonzinho. Ele o faz buscando melhorar suas condições de vida. Ao melhorar a sua vida, trabalha para melhorar a vida de outras pessoas também. Para a sociedade é interessante ter uma grande oferta de produtos para que os preços, sendo competitivos, possam atender às necessidades daqueles que procuram por mais bens e serviços.

De outro lado, temos uma economia planificada, onde o governo decide o que será produzido, quanto deverá custar, a quem se destina a produção, com tudo muito bem planejado. Cada agente econômica seguirá uma cartilha. O produtor produz o que o governo mandar e o consumidor consome só o que tem disponível. E o governo controla tudo. Isso já foi tentado. Não deu certo em lugar nenhum. Então, vamos deixar isso de lado.

Uma economia funciona bem se for EFICIENTE. “A eficiência é uma propriedade segundo a qual a sociedade aproveita seus recursos escassos da melhor maneira possível” (MOCHÓN, Francisco, 2007, p. 6 – para quem quiser ler mais sobre isso). Simples assim. Mas, a ECONOMIA não funciona mais dentro dos ditames do LIBERALISMO radical, ou seja, somente com a intervenção das leis de mercado. A realidade atual é bem diferente: governos decidem sobre os rumos da economia. A intervenção do Estado na economia se dá através da atuação POLÍTICA. Ciência Política é a ciência do PODER. Quem tem mais poder político faz valer a sua vontade sobre o conjunto da sociedade. Qualquer semelhança com governos atuais não é mera coincidência.

No cenário brasileiro, os governantes (POLÍTICOS) são escolhidos pela sociedade. Mas a sociedade brasileira tem uma característica eleitoral intrigante: pessoas votam em pessoas e não em partidos políticos ou propostas de governança. Daí a condição de recondução persistente dos que detêm o PODER PARA SE PERPETUAR NO PODER. Se buscamos eficiência, temos que entregar as decisões econômicas nas mãos de gestores eficientes. Comprovadamente eficientes na sua atuação profissional. Não se pode aceitar que QUALQUER UM TOME AS DECISÕES ECONÔMICAS QUE VÃO AFETAR A NOSSA VIDA.

Nesse sentido, ECONOMIA e POLÍTICA se fundem e se confundem na cabeça dos brasileiros. Toda a nação clama por mais EFICIÊNCIA, no entanto insiste em  manter mais do mesmo, ou seja, entra ano e sai ano, a composição política é a mesma. Nada de NOVO no cenário econômico porque não temos nos dado a oportunidade de ver como pessoas NOVAS podem lidar com o PODER e tomar as DECISÕES em nome do benefício comum. Temos que parar de colocar a raposa para cuidar do galinheiro!!!

 

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se e receba as novidades do
JC diretamente no seu e-mail:

 



  Agência Digital  
Todos os direitos reservados © 2018 · Jornal da Cidade