Tempo em
Uberaba

21 de novembro de 2018 | 01h 10
Autoconhecimento e Desenvolvimento pessoal e profissional
comentário(s)
A+ A-
PUBLICADO POR
Theresa Rachel Alvim
contatopsicoach@gmail.com
Publicado por: Theresa Rachel Alvim

Theresa Rachel escreve a coluna de Bem Estar & Saúde no JC.

Psicóloga especialista em Psicoterapia Psicanalítica, Coaching de Carreira e Palestrante.

Em sua coluna a psicóloga traz o tema:  Autoconhecimento e Desenvolvimento pessoal e profissional

Todo processo de desenvolvimento humano tem início com uma profunda autoanálise, esse processo se inicia com a conexão que o indivíduo faz com ele mesmo. É onde a pessoa se comunica e se percebe nas interações com a vida e com o mundo através de oito instâncias segundo o livro “Decifre e Influencia Pessoas” dos autores Paulo Viera e Deibson Silva.

A primeira instância fala sobre “você consigo mesmo”, quais são seus diálogos internos consigo mesmo? Seus pensamentos costumam ser mais positivos e fortalecedores ou são mais destrutivos com sentimentos de vitimização?

A segunda instância fala sobre “você e seu companheiro(a), com quem você divide sua casa, sua cama, a intimidade do seu lar. Uma crise conjugal é capaz de comprometer o desempenho de uma pessoa em praticamente todas as áreas de sua vida. Caso você seja solteiro é importante refletir sobre como seriam os cenários de sua vida se houvesse um companheiro(a). Em quais situações seriam interessantes você compartilhar medos, conquistas e realizações. Um estudo da National Bureau of Economic Research, publicado em dezembro de 2014, mostra que pessoas casadas são mais satisfeitas com a vida do que as solteiras na mesma faixa etária.

Um estudo feito pelo norte-americano Jay Zargorsky, da Universidade do Estado de Ohio, aponta que, em 2010, casais com idade de 55 a 64 anos ganhavam, em média, US$261 mil por ano, enquanto a média anual de ganhos de um homem solteiro, era de US$71 mil, e de uma mulher solteira, US$39 mil.

Os casamentos que apresentam uma estrutura emocional bem resolvida, em que haja amizade entre os cônjuges e cujos parceiros tenham mais afeição um pelo outro, provavelmente terão mais conquistas financeiras para comemorar.

Já na terceira instância “você e sua família”, tratam das conexões com as pessoas que compartilham com você e o mesmo teto. É importante avaliar sobre o companheirismo, harmonia, respeito, amor, paz.

Na quarta instância avalia “você e seu trabalho”, como está seu ambiente profissional, como se relaciona no seu ambiente profissional, como estão seus resultados, você contribui com os colegas.

A quinta instância remete ao quesito sobre “você e seus parentes”. Que são aquelas pessoas que possuem laços de sangue com você, mas não moram sobre o mesmo teto. Como lidam com as diferenças, se apoiam mutuamente?

Na sexta instância avalia sobre “você e suas relações sociais”, abrange suas relações de amizade, que influenciam no seu nível de felicidade, o seu peso, aspectos físicos e de aparência, a sua relação conjugal e até mesmo a sua conta bancária, por meio de um fenômeno chamado “contagio social”. Qual a qualidade das suas relações sociais?

Estudos revelam que pessoas solitárias são também as mais infelizes, mais carentes e geralmente as mais exigentes.

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se e receba as novidades do
JC diretamente no seu e-mail:

 



  Agência Digital  
Todos os direitos reservados © 2019 · Jornal da Cidade