Tempo em
Uberaba

15 de junho de 2018 | 16h 52
Relacionamentos abusivos e a autoconhecimento
comentário(s)
A+ A-
PUBLICADO POR
Theresa Rachel Alvim
contatopsicoach@gmail.com
Publicado por: Theresa Rachel Alvim

Theresa Rachel escreve a coluna de Bem Estar & Saúde no JC, todas as SEXTAS. Psicóloga especialista em Psicoterapia Psicanalítica, Coaching de Carreira e Palestrante.

Em sua coluna a psicóloga traz o tema: Relacionamentos abusivos e a autoconhecimento

 

É muito provável que você conheça alguém que já esteve ou que está em um relacionamento abusivo. Relações em que há agressões físicas, verbais ou psicológicas são, infelizmente, algo muito comum.

Um relacionamento é tido como abusivo quando uma das partes se caracteriza como a que pratica abusos, enquanto a outra é submetida. "O que pratica abusos exerce poder moral sobre a outra pessoa". Segundo a Revista Super Interessante em relato do professor e pesquisador Daniel G. Saunders, da Universidade de Michigan, que faz estudos a respeito desse assunto, traz alguma luz para que se entenda o que impede as mulheres de se livrarem de relacionamentos abusivos. A resposta, como se pode imaginar, está ligada a uma série de fatores. Um dos mais comuns é a falta de recursos a mulher talvez não tenha um emprego, ou não ganhe o suficiente para se sustentar sozinha. Se ela tiver filhos, a situação fica ainda mais complicada. Outro motivo é a falta de apoio da família, amigos e colegas, que muitas vezes não acreditam ou até culpam a vítima pelo abuso; e há ainda o medo: afinal, as mulheres podem ter motivos reais para temer por sua vida caso deixem seu companheiro. Um estudo feito pelo próprio professor Saunders constatou que o risco de homicídio aumenta logo depois de a vítima deixar o abusador.

Existe também a possibilidade de ambos serem abusivos entre si, principalmente entre casais mais jovens, que tendem a ser inexperientes. Com isso, há uma insegurança maior para ambos, o que gera cobranças. "O jovem adolescente vai parar de curtir as fotos das amigas no Facebook e Instagram, e sua namorada fará o mesmo".

Alguns pensamentos, como "relação é assim mesmo", "eu vou mudar o outro", "tenho minha parcela de culpa", "não posso desfazer uma família", "todos vão me julgar", entre outros, contribuem com a permanência nessa situação difícil.

Mas há outras razões, menos visíveis, que mantêm a vítima presa a essa relação:

– o parceiro não é violento o tempo todo, mas também se mostra gentil e sensível;

– o parceiro se mostra arrependido e a vítima fica com pena;

– o parceiro diz que vai procurar tratamento e a vítima cria esperanças de que ele vá mudar;

– o parceiro menospreza a vítima e destrói a sua autoconfiança, o que faz com que ela se sinta presa a essa situação e tenha vergonha de pedir ajuda.

Imagem: Freepik

Como identificar um relacionamento abusivo?
 

  • Ciúme Possessivo: a pessoa tem ciúme de todos, mesmo de amigos e parentes, e demonstra isso publicamente de forma constrangedora.
  • Comportamento Controlador: controlam os passos, gastos, compromissos, monitorando a outra pessoa todo o tempo.
  • Afasta das amizades e mesmo de familiares, dizendo que tais pessoas não prestam e que são falsas.
  • Explosivo: tem "pavio curto", mas no momento seguinte pode se mostrar arrependido/a e extremamente carinhoso/a.
  • Justifica seus erros de forma a transferir convincentemente a culpa pra você ou para os outros.
  • Manipulador: transforma a cena ou situação de maneira a beneficiar sempre a vontade própria.
  • Usa o álcool ou outra droga como desculpa pra agressividade desmedida e maus tratos.
  • Humilha a outra pessoa: essa é a forma preferida para se fortalecer diante do outro, mantendo a pessoa insegura. Por mais que se faça para merecer um elogio, vai receber ou o desprezo ou críticas pesadas.
  • Chantagista e punitivo/a: pode passar dias sem falar com o outro, dormindo separado, ou negando até mesmo sexo.

Se você se identificou com os sinais, procure ajuda! Seja de amigos, seja de um profissional. E se você se sente preso ou presa, não se desespere. Se você chegou ao ponto de se afastar de quem você ama, volte. Abra seu coração, explique sua situação e peça ajuda. Há diversas saídas para aqueles que estão em um relacionamento abusivo. Uma delas é através do fortalecimento da inteligência emocional. Lembre-se sempre que ter inteligência emocional pode ajudar a lidar com o término, bem como sair de relações abusivas e cuidar para nunca mais entrar.

Quando a gente se conhece bem, acaba sabendo melhor quais são os tipos de pessoas que conseguimos lidar, e que tipos de pessoas não conseguimos. Além disso, trabalhe o máximo que puder na sua autoestima. Pense nas suas qualidades, no que te faz especial. Conhece-te a ti mesmo! Invista no seu autoconhecimento e não se permita tornar-se aquilo que você não é.

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se e receba as novidades do
JC diretamente no seu e-mail:

 



  Agência Digital  
Todos os direitos reservados © 2019 · Jornal da Cidade