Tempo em
Uberaba

01 de maio de 2018 | 22h 58
Por que Vingadores: Guerra Infinita não é um bom filme?
comentário(s)
A+ A-
PUBLICADO POR
Redação JC
jcuberabacontato@gmail.com
Publicado por: Redação JC

Fotos: Reprodução Internet

VINGADORES: GUERRA INFINITA (AVENGERS: INFINITY WAR, 2018)

CENSURA: 14 ANOS / DURAÇÃO: 156 minutos

 

   POR QUE VINGADORES: GUERRA INFINITA NÃO É UM BOM FILME?

A resposta para a pergunta do titulo é bem simples: porque o filme é FANTÁSTICO. Como disse na publicação passada, filmes de super-heróis eram um tabu. Mas isso foi passado, e hoje o que vemos nos cinemas são produções cada vez mais bem-feitas. Paro aqui para fazer um AVISO: esta crítica será dividida em duas partes, a primeira, sem spoilers do filme, e a segunda com diversas revelações da narrativa. Então, se você quer ter uma experiência completa, leia apenas a primeira parte, entendido? Vamos lá:

PARTE I (SEM SPOILERS)

O filme é uma produção grandiosa, onde seu apuro técnico fica evidente, tanto que até o 3D do filme não incomoda (como acontece em outros filmes). Apesar do título do filme fazer menção aos heróis, quem ganha maior parte da tela e prende a atenção do espectador é o vilão THANOS. Os diretores e roteiristas se preocuparam em apresentar um personagem forte, em diversos sentidos, e com um objetivo claro (e que se você parar para pensar pode até fazer sentido, mesmo que não seja o correto). Em resumo (e isso é o plot do filme, então não é um spoiler de fato) ele deseja reunir as seis Joias do Infinito para destruir metade dos habitantes do UNIVERSO e, como eu disse, por mais contraditório que isso pareça, o roteiro te convence que ele pode ter razão para realizar tal proeza, por mais que tal ação seja uma atrocidade inestimável.

Mas além de um vilão super forte e carismático, vemos nesta obra uma interação entre heróis jamais vista. Apesar da narrativa dividir os personagens em diversos núcleos, a forma em que eles se relacionam, e tentam impedir que o vilão chegue ao seu objetivo final, é muito divertida e envolvente. Tanto que nem parece que o filme ultrapassa das duas horas e meia de duração.

Não vou me alongar mais nesta parte, creio que você já tem motivos suficientes para ver este filme. Apenas deixo uma dica: para ter uma experiência completa, assista aos filmes da fase três da MARVEL. Nota do filme: 9/10 (explico essa nota na segunda parte desta crítica).

A partir de agora, se você não assistiu ao filme, pare por aqui e depois volte para conferir o restante dos meus comentários sobre o filme!

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

VAI TER SPOILER! ÚLTIMO AVISO

 

.

.

.

.

.

.

.

.

PARTE II (COM SPOILERS)

 

.

.

.

Ao final do filme, Thanos consegue reunir todas as seis joias do infinito e por isso é capaz dizimar metade da população do universo, incluindo os heróis: Pantera Negra, Homem Aranha, Doutor Estranho, Visão, quase todos Guardiões da Galáxia, entre outros. Eu avisei, esta parte contém os spoilers do filme.

A partir daqui, para melhor nos situarmos e ter uma visão clara do que acontece, vou dividir a crítica pelas joias do infinito e explicar ao final por que da minha nota ser 9, mesmo tendo achado o filme fantástico:

Joia do Poder (Roxa): Thanos começa o filme de posse da pedra do poder. Para quem não se lembra, ela apareceu primeiro em Guardiões da Galáxia, e estava guardada pela Tropa Nova. Pelo que é dito no filme, o vilão foi até o planeta Xandar, dizimou quase todo mundo e recuperou a primeira joia.

Joia do Espaço (Azul): A segunda conquista de Thanos acontece logo no início do filme, que é uma continuação direta de Thor: Ragnarok. A nave que transportava os asgardianos é interceptada e lá, após exterminar quase todos e dar uma surra no Hulk, o vilão consegue extrair de Loki (antes de morrer) a segunda joia. Aqui é importante destacar que, antes de seu último suspiro, Heimdall (deus que faz a guarda da ponte de acesso à Asgard) consegue mandar Bruce Banner para a Terra, para que ele se salve e avise os Vingadores do perigo iminente.

Joia da Realidade (Vermelha): Ela apareceu primeiro em Thor: O Mundo Sombrio e estava localizada em Luganenhum, sob os olhos do Colecionador. Após recuperá-la, Thanos já utiliza seu novo poder para confrontar os Guardiões da Galáxia e “sequestrar” sua filha adotiva Gamora, que sabe onde está a próxima joia.

Joia da Alma (Laranja): A única joia que ainda não havia aparecido no Universo Marvel dos cinemas. Estava guardada no planeta Vormir (todas as cenas deste planeta foram gravadas no Brasil, mais especificamente nos lençóis maranhenses), sob guarda de um antigo e desaparecido vilão do Capitão América, o Caveira Vermelha. Para consegui-la, é necessário que Thanos faça uma troca: a alma de quem ele ama pela poderosa pedra. É então que vemos que o vilão resolve se livrar de sua filha adotiva Gamora, a qual ele nutria algum sentimento, para alcançar o seu objetivo, demonstrando que ele fará o que for necessário sempre.

Joia do Tempo (Verde): Situado dentro do Olho de Agamotto, cordão que dá poderes importantes ao Doutor Estranho, a joia esteve sob proteção de sua ordem por muito tempo. Para conquista-la, o vilão vai ao seu planeta natal Titã e, após uma batalha envolvendo Homem de Ferro, Homem-Aranha, Senhor das Estrelas e o próprio Doutor Estranho, ele consegue a penúltima pedra.

Joia da Mente (Amarela): A última joia que Thanos vai atrás pessoalmente é a que foi de vital importância para criação de um dos Vingadores: o Visão. Ela se encontra na testa do androide, que vai para Wakanda tentar extrair a pedra e destruí-la antes que ela caia nas mãos erradas. Claro que o plano não funciona e Thanos atinge seu objetivo final.

Como todos os personagens que integram o grupo de heróis do filme já haviam sido apresentados previamente, o filme focou (acertadamente) em desenvolver seu vilão e mostrar sua jornada. Ao fim, apesar de Thanos chegar ao seu objetivo principal, vemos que algumas pontas ficaram soltas e os desdobramentos destes acontecimentos estarão presentes em 2019, no já aguardadíssimo Vingadores 4 (ainda sem título oficial divulgado).

Aproveito este último parágrafo, para explicar por que motivo, mesmo achando o filme fantástico, minha nota não foi 10. Em primeiro lugar, este filme é uma parte 1, e temos que aguardar a parte 2 para ver quais reflexos algumas ações deste primeiro ato terão no futuro. É aí que destaco: o fato de o Doutor Estranho se contradizer e, simplesmente, dar a joia que estava em sua posse para o vilão, mesmo o herói tendo sido construído como inteligentíssimo e ter explicado antes que não faria isso(talvez seja esta a única chance de vitória dos Vingadores que ele conseguiu vislumbrar no futuro, mas ainda precisamos conferir). Também tem a situação em que Peter Quill atrapalha o plano criado pelos seus aliados e permite que Thanos continue com a manopla do infinito. Considerado que o personagem já passou por algumas provações nos seus filmes próprios, ele ali poderia, no mínimo, ter segurado um pouco de seu ímpeto.

E por fim, cadê o Gavião Arqueiro, o Homem-Formiga e a CAPITÃ MARVEL.

Já foi divulgado que esta última personagem é uma das mais poderosas heroínas do universo e que seu filme, que estreia em 2019, se passa nos anos 90. Então onde está esse pessoal? Suspeito fortemente que eles terão atuação fundamental na segunda parte, especialmente pelo fato de que as duas próximas produções Marvel envolvem estes dois últimos heróis. Espero também bastante que o gigante esmeralda, que aqui apareceu apenas no primeiro ato do filme, tenha um maior destaque. Diante disso, minha nota é 9, mas a experiência de assistir a Vingadores: Guerra Infinita foi 10!

 

Cláudio Ribeiro de Sousa é Mestre em Ciência da Computação, Professor e fanático por cinema e séries de TV.

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se e receba as novidades do
JC diretamente no seu e-mail:

 



  Agência Digital  
Todos os direitos reservados © 2019 · Jornal da Cidade